A nossa aldeia

Nossas co-fundadoras

Hakima Abbas

“Quando fecho os olhos, posso ver, saborear e sentir o calor da libertação na brisa. Aspiro cuidar da terra, dançar com o oceano e estar rodeada pelo riso das crianças.”

O ativismo de Hakima vem de sua infância. Ela não consegue se lembrar de uma época em que não desejasse a libertação coletiva ou “tremesse de indignação a cada injustiça”. Nas últimas duas décadas, Hakima tem dedicado seu trabalho a apoiar e fortalecer os movimentos sociais. Ela foi a Diretora Executiva da Fahamu, uma organização de apoio ao movimento pan-africanista e atualmente é co-Diretora Executiva da AWID, uma organização de apoio e filiação ao movimento feminista global.

Leia mais

Ela é membro do Jang! Um coletivo de educação popular e atuou como membro do conselho do Greenpeace África, Fundação Rosa Luxemburgo para a África Oriental, Aliança Africana de Trabalhadores do Sexo e Centro para Participação do Cidadão na União Africana. Ela também contribuiu em funções de consultoria para vários doadores e iniciativas multilaterais, incluindo: UHAI – Iniciativa de Saúde e Direitos Sexuais da África Oriental, Heartland Alliance, The Other Foundation, Fundo Fiduciário da ONU sobre EVAW, Iniciativa Destaque da ONU e da Força Tarefa de Alto Nível da ONU sobre financiamento para a igualdade de gênero.

 

É autora e co-editora de vários artigos e publicações, incluindo: Africa’s Long Road to Rights; Africa’s Long Road to Rights; From Roots to Branches: the African Diaspora in the Union Government; Aid and Reparations: Power in Development Discourse; Queer African Reader; People-led Transformation: African Futures; and the Pan-Africanism and Feminism issues of Feminist Africa.

Tynesha McHarris

“Antes do Fundo Feminista Negra começar, nós nos apoiamos nos ombros de nossos ancestrais e nos movimentos anteriores. Há um longo legado e uma geração de pessoas que não apenas lutaram para que estivéssemos aqui, mas também criaram estruturas, visões e ideias, para que possamos realmente transformar o mundo.”

As raízes filantrópicas de Tynesha estão em seu trabalho inicial, liderando programas para jovens. Ela tem trabalhado em estreita colaboração com jovens que sofreram criminalização e encarceramento, bem como um trabalho zeloso para sobreviventes de violência de gênero.

Leia mais

Ela é formada pela Rutgers University e concluiu o treinamento de pós-graduação do Programa de Educação Executiva de Empresa Social da Columbia Business School, bem como da Fundação Robert Wood Johnson e do Programa de Educação Executiva do Centro para Liderança Criativa.

Tynesha foi responsável por projetar o portfólio da NoVo Foundation para meninas negras nos Estados Unidos, um investimento de 90 milhões de dólares e o primeiro de seu tipo no setor. Ela atuou no conselho de Grantmakers for Girls of Color, Just Beginnings Collaborative e Funders for Justice. Ela também é a diretora da Black Harvest, uma empresa de consultoria feminista negra que faz parceria com lideranças de movimentos sociais, doadores e filantropia institucional para apoiar o trabalho que promova a justiça racial, de gênero e juvenil.

Amina Doherty

“Como uma feminista afro-caribenha e defensora dos direitos das mulheres, meu trabalho se concentra em aumentar a conscientização para a justiça social por meio da construção de movimentos e de abordagens inovadoras à filantropia. Através do apoio ativo ao trabalho transformacional – de artistas, sonhadores, ativistas e organizações que fortalecem a mudança social – estou focada em ajudar a construir um mundo mais colorido, igual e justo.”

Em seu trabalho, Amina Doherty encontrou o fluxo natural entre criatividade e ativismo. Apoiando ativamente o trabalho transformacional de artistas, sonhadores, ativistas e organizações que fortalecem a mudança social, Amina continua focada na construção de um mundo mais colorido, igual e justo.

Leia mais

Ela é bacharel em Ciências Políticas e Estudos da Mulher pela McGill University (Distinction) e tem um mestrado em Ciências do gênero, desenvolvimento e globalização pela London School of Economics (LSE).

Amina atua como consultora caribenha da Mama Cash e como membro do conselho do Global Fund for Women. Ela gerenciou fundos para organizações de direitos das mulheres no Sigrid Rausing Trust, ela é membro fundadora e a primeira diretora da FRIDA | The Young Feminist Fund, uma organização que visa fortalecer a capacidade de organizações feministas jovens em todo o mundo, e ela tem trabalhado extensivamente com organizações de apoio ao movimento, como: a Associação para os Direitos das Mulheres no Desenvolvimento (AWID); Just Associates (JASS); e o Fundo de Desenvolvimento da Mulher Africana (AWDF). Amina é atualmente Diretora do Programa de Voz e Liderança da Mulher Caribenha do Fundo para a Igualdade.

Ela mora em Antígua e Barbuda, mas já morou e trabalhou na Nigéria, Canadá, Jamaica e Reino Unido.

Nosso time

Naeemah Davis (Gerente de Operações)

Tudo começou com dois princípios mais simples para Naeemah: alegria e família. Com base nesses princípios, ela fundou uma pequena empresa e trabalhou com organizações como The Frontline e Black Harvest. Como uma empresária de sucesso, suas experiências a ensinaram que, com o apoio certo, nossas mulheres negras podem fazer qualquer coisa.

Com isso em mente, seu papel como Gerente de Operações no Black Feminist Fund permite-lhe utilizá-lo ao longo de uma década de educação e administração de negócios para apoiar o modelo do The Black Feminist Fund (Fundo Feminista Negra) para o setor filantrópico; financiamento solidário para mulheres negras em todas as suas diversidades.

Timiebi Souza-Okpofabri (programas e coordenador de concessão de subsídios)

Timiebi Souza-Okpofabri (elas/ela) é uma pesquisadora feminista, arquivista, escritora, artista, e DJ de Trinidad e Tobago. Elas são Bacharel em Estudos Étnicos e possuem um Certificado em Estudos de Direitos Humanos. Nos últimos anos, elas têm trabalhado como pesquisadora e consultora, focando em desafiar o apagamento de narrativas históricas de resistência através da pesquisa de arquivos, narração de histórias, arte e educação.

Elas também têm experiência trabalhando dentro dos movimentos estudantis e da sociedade civil, e são co-fundadoras do Batti Mamzelle, o primeiro coletivo de DJs queer de Trinidad e Tobago. Fora do trabalho, elas adoram caminhadas e o ar livre, fazer  música e ler  histórias da África e da Diáspora.

Jabulisile Tugwana (Gestor de Mobilização de Recursos)

A Jabulisile Tugwana é uma feminista negra baseada na zona rural de Gauteng, na África do Sul. Ela tem trabalhado com Direitos Humanos na intersecção de gênero e HIV por quinze anos. Sua formação acadêmica é em Ciências Sociais e ela se formou em Pobreza e Desigualdade na London School of Economics em 2013. Antes disso, ela foi a mais jovem beneficiária do MAC AIDS Fund Fellowship na Universidade de Columbia, em Nova York.  

O ativismo da Sra. Tugwana inclui a construção do movimento feminista nacional e regional. Em suas funções como Conselheira de Construção do Movimento Africano na SheDecides, ela apoiou 11 movimentos para defender a plena autonomia corporal, incluindo o prazer e o consentimento. Em 2018, ela coordenou uma coalizão pan-africana sobre saúde sexual e reprodutiva e direitos (SRH-R) de minorias sexuais e de gênero em 14 países. Suas contribuições para alcançar a justiça social foram reconhecidas pelo Mail & Guardian através de sua lista dos 100 principais jovens. Ela trabalhou em organizações globais como a Anistia Internacional e o Fundo das Nações Unidas para a Infância. Atualmente trabalha como Gerente de Mobilização de Recursos no Fundo Feminista Negra.

Conselho de Liderança de Movimento

Sibongile Ndashe

Como fundadora e Diretora Executiva da Initiative for Strategic Litigation Africa (ISLA), Sibongile serviu à sua comunidade como advogada de interesse público por mais de vinte anos. Ela se concentra no que é importante para ela; litigar gênero e sexualidade perante o sistema africano de direitos humanos e apoiar litígios perante tribunais nacionais.

Sibongile havia passado um tempo considerável projetando programas de fortalecimento de capacidades. Seu objetivo é desenvolver um grupo de advogadas feministas africanas que possam litigar sobre questões de direitos das mulheres. Suas habilidades de networking permitem que ela colabore com outros advogados que fornecem representação legal de qualidade para pessoas que enfrentam violações por causa de sua sexualidade.

Gay McDougall

Gay traz uma vasta e variada experiência no campo dos direitos humanos para seu cargo no Fundo Feminista Negra. Como a primeira Relatora Especial da ONU para Questões de Minorias, e vencedora do prestigioso prêmio MacArthur “Genius”, Gay passou sua carreira trabalhando em questões de raça, gênero e justiça econômica no contexto global.

Ela é uma especialista independente do Comitê das Nações Unidas para a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial e atualmente é uma Distinguished Scholar-in-Residence no Leitner Centre on International Law. Como Relatora Especial sobre a questão de estupro sistemático e práticas de escravidão sexual em conflitos armados, ela apresentou um estudo inovador pedindo normas jurídicas internacionais para o julgamento de tais atos. Ela foi um dos cinco membros internacionais da Comissão Eleitoral Independente da África do Sul, que organizou e administrou com sucesso as primeiras eleições não raciais daquele país.

Sharlen Sezestre

Nascida e criada na Martinica, Sharlen desenvolveu uma consciência política das desigualdades raciais e de gênero desde jovem. Por mais de dez anos, ela se opôs à violência doméstica e à discriminação com base no gênero na Union des Femmes de la Martnique (União das Mulheres da Martinica) e na Culture Egalité (Igualdade de Cultura). Ela continua empenhada em defender os direitos sexuais e reprodutivos de todas as mulheres e meninas, e seu ativismo a manteve envolvida na luta contra a violência policial dentro de coletivos populares na França.

Sharlen acredita que o Fórum de Igualdade de Geração feminista e política não pode ser alcançado sem a participação plena e completa das mulheres mais afetadas, ou sem compromissos governamentais concretos com a saúde sexual e reprodutiva e direitos e igualdade de gênero.

Maie Panaga Babker

Maie passou seu tempo proporcionando às mulheres a oportunidade de se expressarem fora dos limites da sociedade em que vivem, e capacitá-las a desenvolver uma imaginação que se estende além de suas realidades diárias. Ela ajuda as mulheres a explorar como elas se expressam (ou não se expressam) durante vários estágios de suas vidas e durante diferentes épocas políticas.

Como uma mulher sudanesa radicada no Cairo, Maie é a co-fundadora e co-editora do Coletivo Feminista Ikhtyar, com sede no Cairo. “Ikhtyar” significa escolha em árabe e visa promover e educar a comunidade sobre igualdade de gênero e sexual. Desde 2014, Maie se dedica à produção de conhecimento feminista em árabe, cobrindo áreas de: feminismo, sexualidade, saúde e direitos reprodutivos e internet feminista.

Mukami Marete

“Meu sonho é que os movimentos negros feministas sejam capazes de se organizar, sabendo que são apoiados a longo prazo. Porque os problemas não vão desaparecer tão cedo. ”

Com uma longa e ampla carreira de ativista de 18 anos, Mukami trabalhou na intersecção do desenvolvimento organizacional, direitos humanos e justiça social, e sua carreira se concentrou particularmente na organização de recursos para e por pessoas LGBTIQ e profissionais do sexo.

Atualmente, ela é co-diretora executiva da UHAI EASHRI, a Iniciativa de Saúde e Direitos Sexuais da África Oriental, um fundo de ativistas LGBTIQ e profissionais do sexo. Mukami também atua nos conselhos de: Global Philanthropy Project, East African Philanthropy Network, African Philanthropy Network Board e Sex Worker Donors Collaborative.

Yannia Sofia Garzon Valencia

Como mulher negra e tecelã de comunidade, Yannia trabalhou por nove anos na Columbia com o Processo de Comunidades Negras. Entre 2013 e 2017, ela investiu seu tempo na coordenação e facilitação de vários espaços de treinamento para jovens e mulheres. A mobilização das mulheres negras pelo cuidado da vida e dos territórios ancestrais continua entre suas maiores escolas de formação política

Yannia fez parte das equipes metodológicas e de negociação do movimento negro e do movimento popular, além de ser líder de workshops e palestrante em diversos espaços locais, nacionais e internacionais. Ela centrou seus interesses nos processos organizacionais de mulheres negras que propõem e conduzem realidades e práticas anti-racistas e políticas centradas no cuidado com a vida.

Kym Oliver

Kym é Escritore, Palestrante, Palestrante especialista, Aficionade por sexo e namoro, Crítico de comida vegana revisade por pares, consultore e falante profissional, com uma lista internacional e diversificada de créditos nos espaços acadêmico, corporativo e de mídia. Incluindo a Universidade de Oxford, NASA, Estée Lauder Companies, UNFPA, BBC e AJ+. Kym também é a ‘Deusa Oficial’ do The Triple Cripples – uma plataforma dedicada a destacar as narrativas e aumentar a visibilidade de Mulheres Negras e Pessoas Não Binárias, vivendo com Deficiência.

Um pensador queer, negro, monserrático e ganense, 6’1″, Kym usa os pronomes Eles/Elas como uma rejeição dos binários supremacistas brancos e para honrar os ancestrais de todas as expressões, que vivem vibrantemente no DNA de Kym e são celebrados através de Kym. Com a missão de criar a pesquisa necessária para servir e proteger todas as mulheres e crianças negras no mundo, Kym está determinada a ser a mudança que eles desejam ver. Eles se dedicam a iluminar sua ‘experiência vivida’ com uma multivariada a longo prazo; examinando seus efeitos psicológicos, emocionais, práticos, sociais, culturais, espirituais, estruturais e interpessoais, a fim de criar um plano para um futuro mais justo para o nosso planeta.

Um criative multifacetado, amante profundo de Anime e vilão de Nollywood esperançoso – Kym passa muitas horas olhando para uma tela conversando com um público invisível e futuro. Ironicamente, eles são um Personal Trainer & Coah de Saúde Integrativa qualificado, que passa a maior parte do dia deitado na cama, sentindo-se mal e prometendo a si mesmo que “amanhã” será o dia em que “comer melhor e ir à academia”…

Nos champions

Deborah Holmes

Foi sua energia, sua afinidade com a música e sua alegria que trouxe felicidade para quem teve a chance de trabalhar com Deborah. Ela era uma confidente, uma grande pensadora e uma voz que garantia a intersecção de raça e gênero estar na vanguarda o tempo todo.

O foco de Deborah sempre foi ajudar os outros e corrigir as injustiças que as mulheres enfrentam – em particular as mulheres de cor. Ex-jornalista investigativa, Deborah passou a última década na Rede de Financiamento do Fundo Global para Mulheres e Mulheres, onde trabalhou para promover a justiça e a igualdade para as mulheres em todo o mundo.

Leia mais

Ela se juntou ao círculo consultivo do Fundo Feminista Negra em 2014 e se tornou uma campeã do trabalho.

Sua força era contagiosa. Nada poderia impedir Deborah em uma missão. Ela incentivou as organizações e as pessoas a adotarem a mudança e a pensarem de forma diferente. Ela desafiou e apoiou as pessoas a fazerem melhor e a verem um futuro melhor. Ela se preocupava profundamente com as questões de justiça entre as pessoas e não era diplomática em denunciar a injustiça racial. Por trás da força de Deborah também estava profunda compaixão, consideração e bondade.

Infelizmente, Deborah faleceu em 2018 antes que ela pudesse ver a flor do BFF. Levamos a luz de Deborah adiante nesta jornada.

Phumzile Mlambo-Ngcuka

Quando Phumzile era uma jovem na África do Sul, ela viu em primeira mão o que mulheres destemidas podiam fazer. Desde então, tem dedicado sua carreira a questões de direitos humanos, igualdade e justiça social, tanto no setor público quanto no privado. Ela declarou 2020 como “um ano para as mulheres”, com sua “Campanha de igualdade de gerações”.

Ela ingressou na ONU Mulheres como Diretora Executiva em 2013 e, sob sua liderança, ela aumentou significativamente sua influência dentro e fora do sistema da ONU, expandiu suas parcerias e mais do que dobrou em tamanho e receita.

Leia mais

Mais recentemente, completando seu segundo e último mandato nas Nações Unidas, ela será lembrada como uma forte defensora de um sistema da ONU mais coerente, responsável e coordenado, trabalhando em conjunto para alcançar a igualdade de gênero.

Ela quebrou barreiras e estilhaçou tetos de vidro. Ela acredita que quando você cria oportunidades para as mulheres, na verdade, você desencadeia uma força para o bem. A vida mostrou a ela que trabalhar com mulheres introduz um poder adicional que torna o mundo um lugar melhor.

Pin It on Pinterest

Skip to content